quarta-feira, 27 de abril de 2011

"NOSSOS" SAPATINHOS...

            Quando me tornei mãe (primeiro da Clara e depois da Helena) adquiri a síndrome da angústia-insegurança-expectativa-materna imediatamente! Tinha receio de que minhas filhas fossem tão diferentes de mim a ponto de eu não saber lidar com isso, e ao mesmo tempo tinha muito medo de que elas viessem com minhas “pequenas imperfeições” e eu me visse pagando os pecados pelo que fiz com minha mãe na adolescência! Rs

            Enquanto Clara foi crescendo e me mostrando quem ela era de fato (ou apenas SE revelando ao mundo), fui vendo que a coisa era mesmo complicada pra mim. Aquela princesinha que vi nascer e idealizei jeito, trejeitos e atitudes veio e-xa-ta-men-te o meu oposto. Retraída, tímida, ODEIA se sentir observada. Eu não entendia NADA! Como eu podia ter gerado alguém tão diferente de mim??? Bom, com o tempo, o que poderia ser natural e apenas ser parte da personalidade dela, passou a ser uma grande preocupação pra mim. Procurei psicóloga, pediatra comportamental e psicopedagogas que me dessem uma receita de como eu poderia “mudar o jeito dela”! O que eu ouvia delas? “Mas mudá-la pra que? O que te incomoda tanto?” Eu não sabia responder. Mas o que eu sabia (e tinha certeza) é que EU não sabia lidar com aquilo.

            Ouvi quem tinha experiência, aproveitei o máximo que pude de muitos - sábios - conselhos que recebi e passei a RESPEITAR a Clara. Ela era minha filha, e não eu! As minhas expectativas e projeções sobre o que ela seria eram problema meu, não dela. Não foi ela quem sonhou, quem planejou ou idealizou tudo aquilo que povoava minha cabeça, mas eu! E naquele momento eu tinha que aceitar que eu havia simplesmente gerado alguém, não “criado” alguém.

            Deixei o tempo passar e mudei pequenas atitudes em relação à essa ansiedade. Passei também a aceitar nossas diferenças e a buscar nossas semelhanças. Não é que as encontrei?! E não só 1, 2 ou 3, mas VÁRIAS!

            Hoje, alguns aninhos depois, olho pra trás e vejo quanto tempo perdi comigo mesma travando uma batalha completamente sem razão. Revejo tudo e acho lindíssimo o fato da minha pequena ser tão “grande”, autêntica, dona de si e com personalidade forte e determinada desde sempre. Ela não se dobrou às inúmeras chantagens que fiz -  mesmo de forma inconsciente, e se mostrou forte o bastante pra, do alto dos seus 3, 4 aninhos, continuar me enfrentando (ou simplesmente se posicionando) e mantendo seu jeito, seu temperamento e sua forma de ser. Olha só que coisa mais linda?!? E que orgulho!!!

            Há poucas horas, recebi aqui em casa a deliciosa visita de uma amiga querida que me ajudou muito nessa fase de observação-aceitação-admiração e ouvi dela uma frase que jorrou inspiração nesse terreno em que cultivo palavras... Leitora desse espaço - que já é delicioso pra mim - ela viu minha pequerruxa calçando meu sapato de saltinho e comentou o fato dela estar tão mocinha. Depois finalizou: “Viu? Os seus sapatinhos – que na verdade são nossos – também cabem nos pés dela”.


            Eu entendi perfeitamente o recado, e devo confessar com MUITO orgulho: CABEM MESMO, Bia! Direitinho! ;-)

7 comentários:

  1. Mas, hein... só você não enxergava as semelhanças de vocês ou eu é que sempre fui TÃO seu puxa-saco que via a Clara super parecida com você?? Atéééé na teimosia, porque lembro de você adolescente, nuuuuuunca se dobrando à Dindinha Dica!

    Depois apanhava até fazer xixi no tapete e não sabia porque, né? Mas, ó, não tô acostumando à Clara-mocinha não. Peguei ela no colo um dia desses, gente! Mande ela deixar os sapatinhos no cantinho e ficar criança por mais uns anos, pra eu ainda conseguir pegá-la no colo (isso é, quando ela resolver "se achegar", né? Nisso ela é seu oposto! rs...)

    Amei.

    ResponderExcluir
  2. Amei, Iguanilda!!!! Muito linda esta declaração de amor pra sua Clarinha... guarde isso para ela ler quando for maiorzinha!! Vai se derreter por esta mãezona!!! Bjs!!

    ResponderExcluir
  3. Lylian F Sossai Varnier27 de abril de 2011 20:36

    Larissa,
    Ri sozinha ao ler seu texto... me lembrei da minha Maria...
    Já me senti assism como vc! Aí veio a Lara, tudo de novo!! Tudo diferente.
    Acho q essa é a graça, a mágica! A vida nos ensina a cada dia e nos mostra como somos pequeninos e precisamos uns dos outros... nada melhor do que conversar com os amigos(as) sobre nossas angustias e tb alegrias! Assim aprendemos e dividimos nossas experiências!!
    Bjo procê e parabêns pelo Blog!! Adorei.

    ResponderExcluir
  4. Du, ela não obedece! Cresce sem parar! :-)
    Iguana, ÓTIMA ideia! Vou guardar mesmo!
    Lylian, que DELÍCIA vc por aqui... Volte sempre! E vamos trocando essas experiências... eu ainda tenho TANTO pra aprender... Para aprender essa lição aí de cima demorei muito, e sofri um bocado tb! Mas valeu MUITO a pena... Vc disse tudo: Essa é a graça, a mágica da coisa! :-)
    Beijos procês que vem aqui no canto d´eu! :-)

    ResponderExcluir
  5. A Clara vai amar ler isso daqui a alguns anos... Parabéns por vc ter percebido o que muitas mãe relutam... vc não é sua filha, e sua filha não é vc... bjossss

    ResponderExcluir
  6. Beatriz Sperandio28 de abril de 2011 16:37

    Aquiiii fiquei emocionadaaaa!!! Achei tudo lindooo!!
    Oh meu Deus!!! Como o ser humano é lindo quando permite ser!!
    Lembra da historinha da areia na concha?? Viu que linda pérola aquela "inquietação-angústia-dor" se transformou?? ;)

    Toh sempre aqui... e toh admirada com essa mega-super-ultra capacidade de escrever... já sabia q era muito boa... mas não com tanta rapidez!! rs

    Vim aqui calçar seus sapatinhos rapidinho... e torná-los meus um pouquinho... Amanhã coloco-os de novo... fazem tão bem aos meus pés!

    Bjoss no coração

    ResponderExcluir
  7. Lary.... chorei muito ao ler NOSSOS SAPATINHOS...fiquei emocionada. Além de ter visto minha Lara que fisicamente acho muito parecida com a Clara...kkkkk mesmo que jeito de ser elas sejam tão diferentes, pois a Lara é TOTALMENTE ATREVIDA... lembrei-me tb da MINHA MÃE... hoje vejo como me pareço com ela...e isso me emocionou profundamente...OBRIGADA POR ME FAZER SENTÍ-LA TÃO PERTO DE MIM ... TUTU

    ResponderExcluir